quarta-feira, 14 de outubro de 2009

tem dias que a gente se sente

Conversando com um amigo falamos do fim de casos
Ele de um jeito que me parece muito sem jeito
Disse que não estava mais querendo estar com quem estava
Questionei o jeito de fazer como fazia

Eu tenho comigo que a gente pode sentir o que for
Não interessa muito sendo que é tudo que interessa
Mas na hora de resolver a gente tem que se apagar
A hora que a gente decide algo que sabe que dói no outro
A gente precisa eliminar a gente

A gente precisa entender os cuidados
Precisa saber exatamente como fazer da melhor forma
Porque fazemos parte daquilo que machuca no outro
Alimentamos aquilo em algum momento

Sendo nosso a gente precisa saber como tirar, quase sem ele perceber
Precisa conversar, fazer a mão afrouxar
Fazer confiar no que se diz, seja o que seja

E nesse momento a gente precisa ser certeiro
Precisa de uma reta
Não é justo a dúvida com quem está a espera.
Nenhuma curva pode ter.
Agora não.

Exercer amor dentro de onde quase não existe.
Uma saída só

Precisa saber amar quando não se ama mais
Como companheiro
De sempre.

2 comentários:

Ju Bessa disse...

Singelo e profundo! Concordo e assino embaixo...Lindo, Mari...Beijos

Celeste disse...

Sei cumé... Complicado...
Bjão