domingo, 25 de outubro de 2009

Miss, linda, feia, Lindonéia desaparecida




Uma amiga minha uma vez disse que eu era livre, uma pessoa livre.
Ela disse que achava isso antes, mas me contou depois de saber que eu não faço as unhas das mãos nem dos pés.
Determinante.

Adoro unha bonita.
Sempre quis ter unha comprida, de mulher.
A vida toda trouxe na mão unha de criança.
Redondinha.
Pequena.

Toda manicure diz que se eu fosse toda semana lá, minha unha ia ficar comprida, quadrada.
Eu consigo ir duas semanas seguidas.
Já consegui.
Depois a idéia some, esqueço, não lembro mais.
Se lembro é porque a unha quebrou.
Ou coloquei a sandália pra sair e vi que feio meu dedão.
Como eu não reparo em unha das pessoas, fico achando que vou passar despercebida.

Chega uma hora que a gente entende como a gente funciona.

Como querer pegar sol, ficar morena.
Até hoje escuto gente falando que eu preciso.

Eu sei que posso no máximo 15 minutos frente, 15 costas, depois das cinco.
Pra osteoporose.
Nem isso faço.

Tem 4 coisas que não me habituei no Rio.
Trânsito, quantidade de arma, funk e o sol.

Apesar desse meu terror, o Rio não pode viver sem sol.
Tenho estado aflita esses tempos.
As pessoas se perdem, chegam cedo demais, andam com olho no chão.

O sol faz as pessoas aqui voltarem pra cá.
Traz o orgulho nelas, o orgulho que o carioca tem de ser carioca e de ter esse sol insuportável.

E voltam a pintar as unhas.
De vermelho.
Carioca não tem outra cor.

Se coloco vermelho parece que tenho dez feridas na mão.
Metiolate.
Não, acho que metiolate não era vermelho.
Metiolate ardia.
O vermelho era qual?
Lá em casa passava os dois. Um ardia, outro pintava.
No pé não gosto de cor, gosto dele limpo, curtinho.

Na mão minha unha não cresce, não vai crescer.
Conheço ela a 31 anos, quase trinta e dois.
Nenhuma manicure pode saber mais dela que eu.
Ou mais de mim.
Porque eu sei que não vou à manicure semanalmente.

Queria unha vermelha, comprida.
E cor morena no corpo.

Mas eu sou livre.

Um comentário:

Alissa disse...

Como é gostoso ler!!!
E sentir vc pertinho através dos pensamentos.
Conheço isso que vc falou.

Essa lufada de ar que é você pra mim!
Livre? Pode ser!

Amo-te!