quarta-feira, 28 de outubro de 2009

mas meu coração é outro

Fujo pra uma cerveja com pouquíssimos amigos,
Que amo, conheço e posso estar à noite em silêncio.

Tem uma coisa que hoje falei com minha pipoca.

Quem separa quer casar.
Uma contradição pra deixar a gente toda que separa de boca solta.

Juro, falei mesmo.

Me disse ela que se não fosse pra casar não era interesse.
Eu reconheci o buraco.
Imediato.
Disse à minha irmã, isso é falta. Preencher o que esvazia.

Depois de uma separação você cria vazios inteiros de tudo.
Amizade, parceria, cumplicidade, amante.

E fica querendo preencher isso de outro jeito, com impressão de sentimento novo.

Se conseguir que ninguém te aguente, vencer se derrubar nessa etapa, talvez sinta o prazer de estar só. O prazer de ter o coração arrumado, aconchegado, e o trono sem rei.

2 comentários:

Tatiana Telink disse...

Ricota, acho que vou imprimir esse post aí e colar pelas paredes da minha casa. Sim! E vou mandar enquadrar um e pendurar no coração. Quando te digo que a arte é quem me cura, imagine quando ganho de presente da vida uma amiga-poeta que me decifra a alma... para quê terapia gente???
Te amo, Pipoca

Rachel Souza disse...

É, uma vez ouvi que os sentimentos são sempre os mesmos, travestidos de outros tais.