segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

carne vale


O carnaval me movimenta.
Eu acho estranho que me mexa tanto.
Fiquei aqui pensando alguma coisa sobre isso e pouco sei pensar.
Enquanto escrevo vou formando alguma idéia.
Às vezes não. Mas às vezes, claro, às vezes sim.
Vieram dois pensamentos.
Uma característica do carnaval é a quebra da rotina.
É outra rotina. Conhecida de todo mundo. Que não muda.
No Rio são os blocos de rua.
Na tevê têm as escolas de samba durante a noite.
Nas ruas de qualquer lugar fantasia e som de tambor.
Todo mundo já sabe.
Saias curtas, coragem e pintura na cara.
Uns brilhos.
Nascemos e já era assim. Não muda nada.
Talvez um pouco de um lugar pro outro. Muito pouco.
A outra rotina, conhecida, que não muda e é fascinante.
A possibilidade de sair do nosso dia-a-dia chato pra caralho. (é carnaval!)
De quebrar a nossa cara fixa, de movimentar o corpo que você não gostava.
A deliciosa rotina carnavalesca de acordar cedo, escolher a cor da maquiagem que você nunca usou, de colocar o enfeite na cabeça que acha patético, mostrar suas estrias indecentes, tomar um gole de cerveja no lugar do café, esquecer a hora do almoço.
A flexibilidade do carnaval.
A instabilidade que pode iluminar ou fazer cair.
É essa a delícia de estar em carnaval.
É essa a delícia!
Havia dois pensamentos. Esse me serviu tanto que o outro foi sambar.
Vamos?

Um comentário:

Tainah disse...

Isso isso isso, Mari!
Bagunça boa deliciosa!